PLANO NACIONAL DAS ARTES - 2023/2024

Agrupamento de Escolas de Vila Viçosa
PNAAEVV

O Plano Nacional das Artes (PNA) é uma iniciativa das áreas governativas da Cultura e da Educação e tem como objetivo principal garantir o acesso e a participação dos cidadãos na fruição das artes e da produção cultural. Pretende aproximar a arte dos cidadãos, em especial das crianças e jovens, estimular a divulgação e preservação do património histórico (material e imaterial) e fomentar a circulação da criação contemporânea. A sua implementação requer a participação de toda a comunidade educativa em parceria com a autarquia e com as estruturas artísticas e culturais.

Atividades

Semana do Japão -18 a 22 de março de 2024

Dia 1

Dia 2

Dia 3

Dia 3 - Professores

Dia 4

Dia 5

Semana do Japão
No âmbito do Plano Nacional das Artes tivemos oportunidade de, durante uma semana, conhecer e experienciar uma série de atividades relacionadas com a cultura do Japão proporcionada pelas educadoras Beniko Tanaka e Mami Higuchi.
O desafio, lançado pelo senhor vice presidente do município, de este ano as atividades relacionadas com o Japão se estenderem ao longo de uma semana e envolverem maior número de alunos do que em anos anteriores e decorrerem em diferentes espaços, foi aceite por grande número de docentes que manifestaram interesse em que os seus alunos participassem.
Assim, tivemos alunos dos Jardins de Infância, do 1º, 2º 3º ciclo, ensino secundário e da Universidade Sénior a assistirem e a participarem nas apresentações e em workshops como os de origami e de furoshiki. A iniciativa também se alargou aos professores que participaram numa mini oficina de cozinha japonesa. As diversas atividades ocorreram nas salas de aula dos diferentes estabelecimentos, no auditório da escola sede, na varanda e jardins do Paço Ducal e ainda na praça de armas do Castelo.
A visita do senhor embaixador do Japão à escola no primeiro dia desta semana revelou o interesse pela iniciativa, que só foi possível com o apoio incondicional do Município de Vila Viçosa e da Fundação da Casa de Bragança.

Ana Sofia Branco

Mª Catarina Passarudo

Mensagem de Beniko Tanaka
Os meus agradecimentos a todas as instituições e pessoas que tornaram possível esta Semana do Japão em Vila Viçosa.
O Japão e Portugal têm uma longa história e uma relação particularmente próxima com esta terra onde D. Teodósio II da Casa de Bragança e os meninos da embaixada Tenshö se encontraram no século XVI.
Este intercâmbio convosco nas artes e na cultura japonesa através da educação é algo com que sonho há muitos anos, e o sorriso das crianças durante cada atividade foi muito especial.
Gostaria de expressar os meus sinceros agradecimentos aos professores que orientaram as atividades.
Na segunda-feira, o Presidente da Câmara, o Presidente da Fundação da Casa de Bragança e o Embaixador do Japão visitaram a Semana do Japão na escola básica e secundária Públia Hortênsia de Castro.
As crianças estiveram ótimas e ouviram atentamente o responsável cultural da Embaixada. Ficámos contentes por terem apreciado brincar com os brinquedos tradicionais na terça-feira, e o teatro de sombras dos meninos Tenshö, a história que sempre quis contar às crianças em Vila Viçosa desde que traduzi o livro do Tiago Salgueiro, foram uma alegria para todos.
Foi ótimo todos terem conseguido trabalhar em conjunto no processo complexo do mini-samurai na quarta-feira. À tarde, os professores prepararam bolinhos de arroz japoneses. Por favor, ensinem os vossos alunos a fazê-los!
Na quinta-feira, realizámos oficinas de furoshiki e origami na varanda do palácio de Vila Viçosa. Foi maravilhoso ver todos a trabalhar arduamente e a completar tarefas que normalmente não fazem, como fazer nós em tecido e dobrar papel.
Na sexta-feira, pela manhã, tivemos uma dança Bon Odori no pátio do palácio. Muitos alunos usaram máscaras e dançaram bem, e todos estavam maravilhosos. À tarde, vieram também muitas crianças a dançar no castelo. Achei ótimo que, depois, todos tenham arrumado o parque infantil tradicional. Finalmente, os membros da Universidade Sénior juntaram-se a nós. Arigatou gozaimashita!
Desta vez, houve participantes desde crianças pequenas a adultos, e tanto a Mami como eu ficámos muito contentes. Mais uma vez, gostaria de vos agradecer do fundo do coração.

Beniko Tanaka (SOL'TA)

Mochila Cultural

Os segredos da caserna
Testemunho de Ilda Ambrósio - Coordenadora Intermunicipal do PNA
A residência artística do Projeto Arte e Território, integrado na Mochila Cultural do Plano Nacional das Artes, foi uma experiência enriquecedora e acredito que inesquecível para todos os participantes e colaboradores envolvidos. Em primeiro lugar, pela vinda de uma artista, a Fátima Mártires, e depois, por todo o trabalho ter decorrido no interior do Castelo de Vila Viçosa. A valorização desse património histórico e cultural acontece naturalmente, porque se transforma em espaço novo de aprendizagem e surge um sentimento de pertença a um lugar antes distante. A artista trabalhou durante todo o processo a partir das capacidades dos alunos e das ideias que iam surgindo, criando dessa forma um ambiente agradável de entreajuda e colaboração entre todos, um verdadeiro exercício de democracia cultural - fazer com e não para. As artes, neste caso concreto, o teatro, as artes performativas, ajudaram a desenvolver a criatividade e o espírito crítico. Na apresentação final, as crianças sentiram-se, e foram, artistas, mas mais importante foi aprender a saber estar e a saber fazer em grupo, a valorizar o trabalho artístico e a possibilidade de se divertir e crescer com experiências diferentes.
Agradeço a disponibilidade, interesse e empatia de todos os que acreditaram e tornaram possível este projeto: a coordenadora do Projeto Cultural de Escola, professora Catarina Passarudo, a Direção do Agrupamento de Escolas de Vila Viçosa, as professoras das duas turmas envolvidas e a Câmara Municipal de Vila Viçosa. Espero que tenha sido uma experiência positiva para todos e que se possa replicar no futuro.
Testemunho de Maria Helena Curvo - Professora de Educação Especial
As atividades desenvolvidas através do projeto Mochila Cultural foram promotoras de uma Educação Inclusiva. Ofereceram diversas oportunidades, experiências, sensações e desafios em contexto exterior à escola e aos alunos com fragilidades que nelas participaram. Com autonomia e com naturalidade os mesmos desenvolveram competências motoras, sociais, cognitivas e emocionais, úteis para o seu dia a dia e para o seu futuro. Usaram a imaginação, fizeram criações, observaram e sobretudo brincaram e aprenderam!
Testemunho de Bárbara de Matos Madeira - Professora de Apoio
Eu como professora de apoio educativo tive o privilégio de puder ter assistido a uma semana muito intensa de sentimentos, de partilhas e de conhecimento.
Sou muito adepta das aprendizagens "fora" da escola, e esta semana foi uma experiência muito enriquecedora para os alunos e para os professores. Estando fora da escola os alunos aprenderam muitos conteúdos de uma forma lúdica que possivelmente irão ficar nas suas memórias não só por ser num espaço diferente ao que estão habituados, mas pela experiência que viveram.
Quando iniciou a semana notei um pouco de nervosismo e de ansiedade, o que é normal, mas logo no final do 1°dia era possível ver no rosto de cada um, a felicidade e o entusiasmo que estavam a sentir.
Durante a semana percebi que todos os alunos estavam muito empenhados e contentes por estarem a participar na atividade e que, apesar do cansaço estavam bastante motivados.
O último dia, foi muito intenso, muito trabalhoso, que culminou numa apresentação aos familiares que foi um sucesso!
Este tipo de atividades deveria ser mais vezes aplicado nas escolas e nos diferentes níveis de ensino.
Adorei esta semana!

Comemorações do Dia Mundial da Música
1 de outubro de 2023

Fotografias

Vídeos

Ler
No âmbito das comemorações do Dia Mundial da Música alguns dos nossos alunos, que pertencem às diversas bandas filarmónicas, animaram os espaços de convívio na escola sede no dia 29 de setembro. No dia 02 de outubro as comemorações foram da responsabilidade de alunos de algumas turmas de 5ºano que encantaram todos com as suas vozes.
Esta atividade insere-se no Plano de Atividades do Agrupamento e teve como objetivos valorizar a sensibilidade artística e a interpretação dos referentes culturais da comunidade envolvente, bem como reforçar a sua identidade cultural.
Foi desenvolvida em parceria com os coordenadores da Biblioteca Florbela Espanca e do Plano Nacional das Artes (PNA) que louvam e agradecem a colaboração de todos os intervenientes, em particular aos que se dispuseram a mostrar o seu talento a toda a comunidade.